portalpatos
publicidade

Morador de Águas Claras encontra inseto transmissor da doença de Chagas

Segundo pesquisador da UnB, o barbeiro encontrado estava infectado com o parasita causador da doença de Chagas. Especialistas dizem que, mesmo em áreas urbanas, há risco de infecção

Um morador de Águas Claras encontrou um barbeiro, inseto transmissor da doença de Chagas, dentro do apartamento. Especialistas da Universidade de Brasília (UnB) examinaram o animal e confirmaram, nesta segunda-feira (27/11), que o animal, da espécie Panstrongylus megistus, estava infectado com o protozoário Trypanosoma cruzi, causador da doença.

O bombeiro Dayvison Lopes Seixas, 36 anos, desconfiou do inseto ao se lembrar das características ensinadas por professores quando ele ainda estava no ensino fundamental. "No começo, pensei que fosse uma barata. Quando percebi que poderia ser um barbeiro, capturei o bicho com um pote de vidro", relatou ao Correio. O animal, segundo ele, estava no banheiro, próximo ao box do chuveiro.

A preocupação de Dayvison, agora, recai sobre a mulher, que está grávida. "Fizemos exame de sorologia para checar se fomos infectados. Espero que não", teme. Para evitar o reaparecimento do inseto, o bombeiro instalou telas em todas as janelas do apartamento, que fica no nono andar.

Depois da captura, o morador de Águas Claras levou o inseto ao professor Rodrigo Gurgel, especialista em parasitologia da Faculdade de Medicina da UnB, que confirmou o perigo. "Ele (o barbeiro) estava infectado com o Trypanosoma cruzi, com base no exame que fiz", atestou.

Gurgel acredita que o animal tenha voado em direção ao apartamento de Dayvison a partir dos parques próximos a Águas Claras. "Apesar de ainda não termos capturado essa espécie nas matas remanescentes do Park Way e Arniqueiras, uma das hipóteses é que eles vêm de lá, provavelmente voando", acredita o especialista. Segundo um artigo publicado pelo professor, há registros de barbeiros infectados com o causador da doença de Chagas em Vicente Pires.

Dayvison também relatou que uma equipe de quatro técnicos da Vigilância Ambiental (Dival) compareceram, nesta manhã, ao apartamento onde o barbeiro foi encontrado. Até o momento, porém, a Secretaria de Saúde, responsável pelo órgão, não se pronunciou.

Inseto raro em áreas urbanas

Causa estranhamento o fato de o barbeiro ter sido encontrado em um apartamento. Geralmente, o barbeiro oferece risco em casas muito simples, de pau a pique. Tanto que as recomendações para evitar a propagação da doença focam na conscientização sobre uso de materiais de alvenaria para a construção.

No entanto, o inseto pode viver também em áreas urbanas. "Embora Águas Claras seja uma área urbana, tem uma área de preservação natural de fauna e flora, o Parque de Águas Claras", explica a professora Carla Nunes de Araújo, pesquisadora do Laboratório de Interação Patógeno-Hospedeiro do Instituto de Biologia da Universidade de Brasília (UnB). 

A atenção ao meio ambiente, destaca a professora, é uma das formas de evitar a proliferação do barbeiro e, consequentemente, da doença de Chagas. "(Em Águas Claras) há muitos canteiros de obras. A modificação das áreas naturais e a ocupação por humanos são causas já bem discutidas de domiciliação de barbeiros", acrescenta.

Na região Norte, onde vivem variantes do barbeiro, a transmissão pela picada do inseto está controlada, comenta o infectologista Leandro Machado, do Hospital Brasília. "Na Amazônia Legal, porém, a infecção ocorre pela ingestão de alimentos contaminados, como cana e açaí", cita o especialista. 

Doença de Chagas exige tratamento longo

A doença de Chagas, transmitida pelo protozoário Trypanosoma cruzi, oferece risco de vida caso atinja o coração ou o trato gastro-intestinal. E o pior: nesses casos, os tratamentos geralmente indicados surtem pouco efeito. "Há estudos que não mostram benefícios ao tratar casos da doença de Chagas crônica que tenham evoluído para esses quadros", aponta o infectologista Leandro Machado.

O inseto Panstrongylus megistus transmite o mal ao defecar sobre a pele do ser humano. Ao coçar a picada, as microfissuras permitem que o causador da doença de Chagas penetre o corpo.

Uma vez infectado, o paciente sofre com sintomas como febre, indisposição, inchaço nos gânglios e ao redor dos olhos, e aumento de tamanho no no fígado e no baço. "Essa é a fase aguda, em que o tratamento é, sim, indicado", avisa Machado. 

No entanto, o protozoário pode ficar no corpo por muito tempo, ainda que o indivíduo não chegue a desenvolver a doença. "Mesmo pacientes da fase aguda podem chegar ao estado crônico", pondera o infectologista.

Dados do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus) mostram que, somente em 2015, 4.472 pessoas morreram com a doença de Chagas. Naquele ano, o último com dados consolidados na série histórica, o Distrito Federal registrou 191 mortes.

O caso veio à tona no mesmo dia em que a Secretaria de Saúde confirmou a morte de um homem com suspeita de febre amarela. Ele estava internado desde 19 de novembro. Caso se confirme a causa, será a terceira morte pela doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti neste ano. 

Portalpatos

 

Fonte: Correiobrasiliense

portalpatos
Leia Também

Comentários


comercial
Panetone da parati 450g frutas cristalizadas
13R$,85
comercial
Panetone da parati 450g chocolate
13R$,85